BABYWEARING PARA TODOS

BABYWEARING PARA TODOS


Um porta bebés é só para bebés?
Se calhar não 😉

 

Em imensas necessidades precisamos de transportar alguém, mesmo que fora das nossas capacidades ou condições habituais a braços, ou ao colo. O que certamente não é tarefa fácil á medida que os pesos vão aumentando.

 

Exemplos:
* um grupo de amigos onde um deles tem problemas de mobilidade, e desejam fazer uma viagem ou caminhada.
* uma turma de crianças com algum aluno com problemas de mobilidade e desejam ir numa visita de estudo
* um soldado na guerra que tem um colega ferido e que não se consegue movimentar sozinho

 

O que se faz nestas situações?
Não se vai, não se participa? Fica abandonado, excluído, caído?

 

Definitivamente que na parte da guerra o doente é carregado, seja de que forma for na tentativa de chegar a uma enfermaria para se prestarem cuidados.

 

Mas infelizmente não é incomum nas duas primeiras situações simplesmente não se ir, não se fazer parte, ser-se excluído.

 

Mas isso é necessário?

 

Sabias que existem auxiliares de transporte (porta bebés) para imensos tamanhos e durabilidades? Sabias que também há limites para o uso confortável e suportável pelo nosso organismo?

 

Nós não devemos suportar por longos períodos de tempo valores superiores a 20% do nosso próprio peso. Por isso, os porta bebés não são por peso ;P

 

De que adianta termos um porta bebés que dura até aos 40kg se nós não pesamos 200?

 

Podemos e devemos carregar, mas não devemos ir além do que é saudável, por longos períodos de tempo.

 

Se me dizem que vão andar com o bebé a braços…. Então antes um porta bebés! É mais ergonómico, permite uma melhor e mais correta postura da coluna e distribuição de peso.

 

O mesmo acontece para quem tem alguns ligeiros problemas de costas, antes num bom porta bebés, que faz uma boa distribuição de peso pelas costas e corpo do que a braços e com compensações posturais, como anca deslocada, coluna em S, ou mesmo sobrecarregar dos ombros e braços.

 

A dica fundamental é, ouve e vê o teu corpo. Reconhece sintomas, não estiques limites.

 

Carrega muito, dá muito colo e disfruta do poder das mãos livres e colo permanente 😉

 

Por Liliana Lima, especialista em Babywearing.

Partilhar o Artigo