Qual a relação entre Osteopatia, crianças e infeções do ouvido?

Qual a relação entre Osteopatia, crianças e infeções do ouvido?


As infeções do ouvido médio, também conhecidas como otite média, são uma das doenças infantis mais comuns e são diagnosticadas cada vez mais a cada ano. Certamente já se perguntou, porque esta situação ocorre predominantemente em bebés e crianças pequenas? Poderá esta situação ser gerida sem recurso a antibioterapia? E o tratamento osteopático será benéfico e eficaz? Qual a conexão entre osteopatia, crianças e infeções do ouvido? Vou explicar-lhe!

 

O que é a Otite média aguda?

A otite média é uma inflamação aguda do ouvido médio, causa dor intensa e perda auditiva condutiva. Existem muitos estudos que discutem as causas da otite média. É conhecida por ser multifatorial, incluindo a disfunção da trompa de Eustáquio, infeção viral ou bacteriana e inflamação devido a rinite alérgica ou outras infeções do trato respiratório superior.

 

O ouvido médio é composto por três partes: a nasofaringe, a trompa de Eustáquio e as células aéreas da mastóide. A trompa de Eustáquio tem três funções fisiológicas principais: protege a orelha média dos patógenos da nasofaringe, limpa os líquidos da orelha média e ventila a orelha média para equilibrar as pressões circundantes. O tubo geralmente é fechado, mas abre ao bocejar ou engolir, permitindo que o fluido seja drenado e o ar entre.

 

Nas crianças, esse tubo é menor em comprimento e largura, sendo mais horizontalizado que nos adultos, onde aqui a sua orientação é mais para baixo. Esta inclinação ajuda na drenagem de líquidos do ouvido médio, portanto a estagnação de líquidos é mais comum em crianças.

Como a Terapia Manual Osteopática ajuda?

Observando esta condição do ponto de vista osteopático, existem muitos outros fatores que podem influenciar o desenvolvimento da otite média em crianças. Um deles é o movimento fisiológico normal dos ossos temporais, que se movem ritmicamente em rotação interna e externa. O movimento temporal restrito na rotação interna bloqueia a trompa de Eustáquio, o que resulta na acumulação de líquido no ouvido médio, predispondo a inflamação e infeção. Esta disfunção somática craniana pode ser devida ao nascimento, uma hipertonia do músculo esternocleidomastóideo, alteração da mobilidade ou hiper-irritabilidade do nervo acessório da coluna vertebral.

 

A abordagem da Osteopatia Pediátrica de qualquer disfunção, passa por examinar o paciente como um todo, concentrando-se não apenas no ouvido, mas também nos sistemas corporais completos, especialmente nos sistemas linfático e musculoesquelético. Achados estruturais específicos comumente encontrados em crianças com otite média são ossos temporais rotacionados internamente, como mencionei anteriormente, padrões de tensão craniana, padrões de tensão ligamentar, disfunção somática na coluna ou nas costelas torácicas superiores e disfunção sacral. O plano de tratamento deve incluir a liberação de todas essas restrições com técnicas de libertação craniana e miofascial ou outras técnicas de manipulação osteopática pediátrica.

 

O sistema linfático desempenha um papel importante na saúde dos tecidos, pois transporta os resíduos para fora dos tecidos, permitindo a entrada de mais nutrientes. Portanto, um aumento da drenagem linfática e venosa da cabeça e pescoço diminuirá a inflamação e o edema dentro e ao redor da orelha média e melhorará o fluxo sanguíneo para a área, promovendo a cura e a reparação. A drenagem linfática pode ser alcançada através de técnicas específicas na região, mas também diminuindo a hipertonia dos músculos cervicais com técnicas de tecidos moles, bomba linfática e técnicas de elevação de costelas. A mobilização geral de todo o sistema linfático reduzirá a congestão e a inflamação nos ouvidos.

 

Técnicas que objetivam drenar os seios perinasais e desobstruir as vias aereas superiores, com uma correcta e eficiente lavagem nasal, são indicadas para complementar o tratamento Osteopático das otites.

 

Um ambiente saudável (estrutura) garante a função ideal. As pesquisas mostram que este tipo de abordagem é bem sucedida na maioria das crianças com otite média recorrente, principalmente porque diminui ou impede a recorrência de antibióticos ou reencaminhamento para intervenção cirúrgica O prognóstico é que geralmente 4 a 5 tratamentos de Osteopatia Pediátrica possam normalizar a fisiologia do ouvido médio. Caso isso não ocorra, a possibilidade de patologia alérgica deverá ser considerada.

 

Por Gonçalo Trafaria, especialista em Osteopatia Pediátrica.

 

Subscreva a nossa newsletter:

Partilhar o Artigo